Capoeira Terra do Sol
APCAP
Escola de Capoeira
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

COLETÂNEA OXÓSSI E A CAPOEIRA - OS MESTRES DA ATUALIDADE

Vamos nos adentrar um pouco mais quanto aos grandes mestres desta prática, que vem desde os tempos primórdios dos escravos negros, como nosso tão amado CANDOMBLÉ veio, superando séculos e lutas sem fim.

Capoeira de Angola

Mestre Pastinha (Vicente Ferreira Pastinha), fundou a primeira escola de capoeira Angola legalizada pelo governo baiano.
Mestre João Pequeno, aluno de Pastinha, é o mais velho e reconhecido mestre da capoeira Angola de Pastinha em atividade.
Mestre João Grande, aluno de mestre Pastinha, um dos mais reconhecidos mestres de capoeira Angola em atividade, comanda ainda hoje seu grupo na cidade de Nova Iorque.
Mestre Nô, (Norival Moreira de Oliveira), fundador dos grupos Retintos, Orixás da Bahia, Capoeira Angola Palmares e da associação Brasileira Cultural de Capoeira Palmares (ABCCP).
Camafeu de Oxóssi, foi um mestre de capoeira e figura de destaque no candomblé baiano. Vide postagem: PERSONALIDADES DE OXÓSSI.
Mestre Burguês, fundador da federação Paranaense de capoeira em 1985. Teve dezenove CDs de capoeira produzidos.
Mestre Camisa Roxa (Edvaldo Carneiro e Silva), aluno de Bimba, grão-mestre do grupo Abadá, divulgador da capoeira no exterior.
Mestre Celso Carvalho Nascimento, mestre carioca, sendo-lhe atribuído um estilo único, um dos mais antigos capoeiristas do Rio de Janeiro em atividade.
Mestre Mão Branca (William Douglas Guimarães), mestre mineiro fundador do grupo Capoeira Gerais, que propaga a capoeira para mais de 22 países.
Mestre Peixinho (Marcelo Azevedo Guimarães), mestre do Rio de Janeiro, fundador do centro Cultural Senzala de capoeira.
Deixe seu Comentário:
Sem comentários »
Categorias:

HISTÓRIA DA CAPOEIRA


Os escravos negros começaram a desembarcar no Brasil aproximadamente em 1548 e, nos séculos seguintes eram de origem banto e falam uma língua de nome Quimbundo. Estes grupos eram constituídos de angolas, benguelas, Moçambique, cambindas e congos: Eram povos de pequenos reinos, com um razoável domínio de técnicas agrícolas; possuíam uma visão muito plástica e imaginosa da vida, e demonstraram ter grande capacidade de adaptação cultural. No Brasil grupos étnicos antes sem muito contato resolveram unir-se pela escravidão formando uma cultura africana no Brasil a qual plantou bases e tradições muito fortes na cultura.
É evidente que a união de várias nações africana e de etnias diferentes contribuiu para a origem da capoeiragem ou vadiagem.
imagem retirada do google imagens - Escravos no Brasil
Não há indicações seguras de que a capoeira se tenha desenvolvido em qualquer outra parte do mundo além do Brasil. “A tendência dos historiadores e africanistas, tomando como base poucos e raros documentos conhecidos, é se fixarem como sendo de Angola os primeiros negros aqui chegados, tendo a grande maioria de nossos escravos escoado dos portos de São Paulo de Luanda e Benguela. Ao lado disso, a gente do povo e sobretudo os capoeiras falam todo o tempo em capoeira Angola, especialmente quando querem distingui-la da capoeira Regional.
Fica claro então que a capoeira é a junção de várias etnias do povo africano que foram trazidos para o Brasil para trabalharem como escravos. Porém, são os negros nascidos no Brasil, os responsáveis pelo aperfeiçoamento da luta que passou a chamar-se “capoeira”.
Capoeira Brasileira
Inicialmente, ela foi desenvolvida como uma forma de defesa. Ao contrário do que muita gente pensa, nem sempre os negros aceitavam pacificamente a escravidão. Uma forma encontrada de resistir à opressão foi a criação de quilombos, que eram comunidades organizadas que abrigavam os negros que fugiam de seus patrões. O maior deles foi o quilombo de Palmares.


Capoeira como forma de defesa
  O quilombo de Palmares foi, provavelmente, o local onde os negros mais praticaram a capoeira naquela época. Além de ser uma forma de defesa, a capoeira era uma forma encontrada pelos negros de transmitirem sua cultura. Mesmo os que ainda eram escravos nas lavouras de cana-de-açúcar, praticavam a capoeira nas senzalas, às escondidas. Para não levantar suspeitas, eles uniram os movimentos à música, “fingindo” que estavam dançando.


Capoeira de Palmares



O tempo foi passando e a capoeira continuou a ser praticada, mesmo após a libertação dos escravos. Há registros da prática de capoeira no Rio de Janeiro, Recife e Salvador, nos séculos XVIII e XIX. Porém, durante muito tempo a capoeira foi considerada como subversiva. Muitos praticantes passaram a andar em bandos e a provocar arruaças nas grandes cidades. Sua prática então, foi proibida no país. Apenas na década de 1930 é que a capoeira foi liberada. Naquela época o que se praticava já era uma variação da capoeira, que já estava muito mais para esporte do que para uma manifestação cultural.



Variação da capoeira


SIGNIFICADO DO NOME "CAPOEIRA".

A palavra “capoeira” tem origem na língua tupi-guarani. Segundo alguns estudiosos, capoeira pode ter dois significados: mato ralo ou gaiola grande. O primeiro deles é mais aceito pelos capoeiristas, que fazem a ligação entre “mato” e o local onde a capoeira era praticada pelos escravos.


MESTRE BIMBA E A CAPOEIRA REGIONAL

Em 1932, o Mestre Bimba fundou a primeira academia de capoeira do Brasil, em Salvador. Mestre Bimba criou o que ficou conhecido como estilo regional, em referência à Capoeira Regional Baiana. Já em 1941 foi fundado o Centro Esportivo de Capoeira de Angola, pelo Mestre Pastinha.
mestre Bimba
Segue abaixo um vídeo explicando a vida de mestre Bimba e seu magnifico trabalho, vídeo esse mostrado em aula pela professora:

Mestre Bimba e Mestre Pastinha tiveram uma participação fundamental na história da capoeira. Ambos criaram e desenvolveram a prática de dois diferentes estilos de capoeira, disseminando a arte nas suas mais diversas formas pelo Brasil.





Vídeo falando sobre a mestre Pastinha:





ESTILOS DE CAPOEIRA

Existem dois estilos bem específicos na capoeira: o angolano e o regional. Apesar de possuírem a mesma filosofia, cada um deles possui suas peculiaridades e maneiras diferentes de jogar.

CAPOEIRA ANGOLA


O nome ligado a este estilo é Mestre Pastinha que, em 1941, criou o Centro Esportivo de Capoeira Angola. Esse estilo procura manter as tradições e os rituais da arte. A luta é mais lenta, e os movimentos geralmente são realizados junto ao chão. O uniforme utilizado pelos praticantes desse estilo é composto por uma calça preta ou marrom e uma camiseta amarela. Durante uma roda, quem está assistindo não participa do coro. É considerado muito mais uma dança do que uma luta.

estilo Angola


CAPOEIRA REGIONAL

A capoeira regional foi criada pelo Mestre Bimba que, em 1932, criou a primeira academia de capoeira no Brasil. Esse estilo recebeu esse nome em virtude de ser criado e praticado primeiramente na “região” da Bahia. Os movimentos da capoeira regional são mais rápidos e o jogo é considerado como uma modalidade esportiva. Os alunos, que usam abadás (calça e camiseta brancas), são batizados por mestres. Os capoeiristas regionais passam por oito cordões de acordo com sua graduação e nível técnico. Na roda, os assistentes podem bater palmas e também participam do coro.
Estilo Regional


PRINCIPAIS GOLPES

"O bom capoeirista é leve, flexível e ginga o tempo todo durante o jogo. Ele procura não confrontar diretamente os ataques do adversário, mas esquivar-se deles, aplicando seus contra-ataques. Os movimentos são sincronizados com os movimentos do adversário. Os golpes são executados com a intenção de atingir o adversário, mas sem na verdade chegar realmente a atingi-lo."





Os golpes na capoeira podem ser divididos em nove grandes grupos. Cada um desses grupos possui seus principais golpes que listamos abaixo.

Cocorinha: o jogador fica quase sentado, com os joelhos dobrados sem tocar o dorso no chão e com o braço erguido para bloquear golpes a cabeça.


Meia lua: movimento em que o capoeiristas ergue o pé, empurrando-o para fora e puxa-o para dentro em forma de uma meia lua. O objetivo é acertar a cabeça do adversário com a lateral interna do pé.


Queixadinha: pode ser lateral ou frontal. Na queixada lateral, a perna de trás da ginga cruza com a da frente fazendo um meio círculo. Na queixada frontal, a perna de trás da ginga faz um movimento circular de dentro para fora visando acetar o rosto do adversário com a parte externa do pé.


* Outros golpes: chapéu de couro, meia lua de compasso.



ATAQUES VOADORES
Queixada:
 o capoeirista fica na frente do adversário, dá um passo para o lado, gira o tronco e desfere um movimento circular com a perna da frente buscando atingir a cabeça do adversário.
Vôo do morcego: o capoeirista pula na direção do adversário com os braços e pernas encolhidos. No ar ele estica as pernas empurrando o oponente.
Meia lua solta: o capoeirista gira no ar sobre uma perna flexionada.


ATAQUES FRONTAIS
Bênção:
 a perna de trás da ginga é esticada para a frente buscando acertar o abdômen do adversário de cima para baixo.

Martelo: ergue-se a perna procurando atingir o adversário com a parte superior do pé.
Ponteira: muito semelhante ao martelo, mas o capoeirista usa a ponta do pé para atingir o adversário.

ACROBACIAS

Macaco: movimento onde o capoeirista se projeta partindo de cócoras com uma mão apoiada abaixo da cintura e a outra girando de frente pra trás sobre a cabeça, fazendo um movimento completo sobre o corpo.


DESEQUILIBRANTES
Rasteira: golpe que consiste em apoiar as mãos no chão e rodar a perna, num ângulo de 360º, encaixando atrás do pé do adversário e arrastando-o, com o objetivo de derrubá-lo.



O BERIMBAU E INSTRUMENTOS




Berimbau
Berimbau é quase sinônimo de capoeira. É ele que determina o tipo do jogo de acordo com o ritmo tocado. O som do berimbau vem da batida da baqueta de encontro ao arame, que é esticado em uma madeira envergada. Uma cabaça é usada para amplificar o som. Geralmente é usado também um caxixi, recipiente de vime com sementes.



Atabaque
Trata-se de um instrumento de percussão. É feito de madeira cortada em ripas largas e presas umas às outras com arcos de ferro de diferentes diâmetros. São colocadas "travas" que prendem um pedaço de couro de boi bem curtido e muito bem esticado. É o atabaque que marca o ritmo das batidas do jogo. Juntamente com o pandeiro é ele que acompanha o solo do berimbau.
Pandeiro
Pandeiros podem ter peles de couro ou de plástico. Eles existem em diferentes tamanhos, sendo os de 10 e 12 polegadas os mais comuns. O pandeiro é segurado por uma das mãos, enquanto a ponta dos dedos, o polegar e a base da outra mão são usados para tocar.
Caxixi
São cestos entrelaçados com pedras, conchas ou feijão dentro deles. São feitos à mão e usados como chocalho pelo tocador de berimbau, que o segura juntamente com a baqueta.
Agogô
O agogô é um instrumento composto por um pequeno arco e uma alça de metal com um cone metálico em cada uma das pontas. Esses cones podem ser de diferentes tamanhos e, consequentemente, produzirem diferentes sons.
Reco-reco
Instrumento de percussão produzido a partir de caixas ou tubos de metal. Para tocar, desliza-se uma baqueta de metal ou de madeira nas molas ou sucos das caixas e tubos.








A RODA DE CAPOEIRA

A roda de capoeira é um círculo onde um grupo de pessoas se reúne em torno dos capoeiristas. A roda é comandada pelo tocador de berimbau que é quem define as músicas e dita o ritmo do jogo. Existem também as “rodas de rua”, encontros de capoeiristas em locais públicos e que conta com a participação do público. Muitas vezes as “rodas de rua” são realizadas em praças, praias e feiras, com o intuito de divulgar o esporte.








A GRADUAÇÃO

Essa graduação pode variar de escola para escola, mas abaixo segue asprincipais:

Confederação Brasileira de Capoeira, porém, possui um sistema graduação que considera como oficial, baseado em cordões que seguem as cores da bandeira brasileira. Os cordões são amarrados na calça do capoeirista. Segue abaixo o sistema de graduação de acordo com a Confederação Brasileira.
A- Graduação Infantil (3 a 12 anos)

B- Graduação normal (a partir de 13 anos)

1º estágio - iniciante: sem corda ou cordão

A- Graduação Infantil (3 a 12 anos)

B- Graduação normal (a partir de 13 anos)

1º estágio - iniciante: sem corda ou cordão

B- Graduação normal (a partir de 13 anos)

1º estágio - iniciante: sem corda ou cordão

B- Graduação normal (a partir de 13 anos)
1º estágio - iniciante: sem corda ou cordão

• 1º estágio - iniciante: sem corda ou cordão

C- Docente de capoeira

C- Docente de capoeira

A GINGA

A Ginga é a movimentação básica da capoeira. É o conjunto de movimentos que dão à capoeira a falsa aparência de uma dança.
O objetivo da ginga é não oferecer ao oponente um alvo fixo, esconder a malandragem do capoeirista e enganar o adversário, geralmente induzindo-o a um ataque e dando ao capoeirista a possibilidade de contra-atacar com eficiência. O termo mandingueiro é popularmente utilizado como definição de um capoeirista que utiliza a ginga de uma forma eficiente, induzindo o adversário a cair em uma armadilha.
A boa aplicação da ginga torna o capoeirista imprevisível e difícil de ser golpeado, seja durante o jogo da capoeira ou em um combate.

A VESTIMENTA

Essa vestimenta também pode variar de grupo pra grupo, mas no geral é calça branca (que te de total mobilidade), cordão (apropriado para a sua habilidade), com camisa branca ou sem camisa:





fontes de pesquisa:

Enfim galerinha essa é nossa nova modalidade, fiquem atentos as novas publicações!
Deixe seu Comentário:
Sem comentários »
Categorias:

CAPURACURSO 2013 PARTICIPE VOCÊ TAMBÉM EU EM CRUZETA RN

Venha Você também participa vai ter muito dendê e axé  

Deixe seu Comentário:
Sem comentários »
Categorias:
,,
▲ Subir